domingo, 15 de abril de 2012

O segredo para encontrar um amor de verdade

    Eu quero, mas não acho." Já perdi a conta de quantas amigas me repetiram esse mantra,até eu mesma rsrsrs   quando a gente procura sem trégua e nunca acha alguém que valha a pena, tudo leva a crer que esse objeto de desejo seja uma miragem, uma ilusão. Se encarar o homem atual com os pés fincados no chão, abrirá o leque de possibilidades na pirâmide dos relacionamentos.
    Hoje, observo que os obstáculos para uma mulher achar sua cara-metade se tornaram bem mais refinados do que gostar ou não do sapatênis. Superar o principal deles, na minha opinião, exige uma guinada de 180 graus: precisamos desativar mentalmente aquele protótipo de companheiro ideal construído com a mãe e as amigas. Foi-se o tempo em que era preciso ligar-se a estereótipos de gênero, pois os dois sexos já alternam códigos e papéis com maior naturalidade. Farejadores de tendências do mundo todo cantam essa bola ao detectar que homens e mulheres se misturam mais, que não há a mesma diferenciação social de antes. Não quero dizer que são iguais. A genética nem permitiria.
    Portanto, se um homem interessante chegar atrasado a um encontro porque estava na sala do dermatologista ou cirurgião plástico, não deduza logo que é efeminado nem bata em retirada. Cuidar da aparência é questão de sobrevivência no mercado de trabalho, só para dizer o mínimo. Se convidar você para ir ao cinema e chorar um tiquinho, idem. Pode ser apenas do tipo que faz sucesso hoje, o fofo. Enquanto um espécime masculino convencional é reservado e teme sua independência, esse é bom papo, aplaude suas vitórias sem se sentir um zero à esquerda, faz sexo disposto a dar prazer e lava louça sem quebrar suas taças de estimação.
     Então,num mundo cada vez mais unissex, a melhor dica para encontrar um amor real e cúmplice é diminuir as expectativas e abrir o leque de possibilidades.