quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Governo sírio acata cessar-fogo durante festa muçulmana

Após tentativas de negociação, o governo sírio aceitou um cessar-fogo temporário em razão da festa muçulmana do Sacrifício (Eid al-Adha) e deve anunciar a medida publicamente ainda hoje ou nesta quinta (25), segundo o mediador internacional Lakhdar Brahimi. Ele disse também, em entrevista coletiva no Cairo, que teve contato com alguns grupos combatentes e que "a maioria em princípio aceitou" a pausa, que deve ter início nesta sexta, dia 26.

O presidente sírio, à esquerda, cumprimenta Brahimi durante encontro em Damasco, quando discutiu-se o cessar-fogoO presidente sírio, à esquerda, cumprimenta Brahimi durante encontro em Damasco, quando discutiu-se o cessar-fogo

De acordo com o general dissidente Mustapha al Sheijá, os rebeldes da Síria vão aceitar a trégua proposta caso as forças governamentais comecem a aplicá-la primeiro. "O Exército Sírio Livre deterá o fogo se o regime fizer a mesma coisa", declarou o chefe do Conselho Militar Superior do ESL.

Brahimi afirmou que após a visita a Damasco, foi feito "acordo por parte do governo sírio [de um cessar-fogo] durante o 'Eid' e, sobre isso, será divulgado um comunicado hoje ou amanhã". O diplomata argelino disse ainda que, caso a proposta de trégua ocorra sem problemas, pode se "trabalhar sobre essa iniciativa para conseguir um cessar-fogo mais sólido e mais longo, que se inscreva dentro de um processo político".

Até agora, tanto por parte do governo quanto por parte dos manifestantes, nenhuma intenção de cumprimento do acordo foi divulgada e, sempre alegam que o cumprimento depende do acato da outra parte. Em abril, o mediador anterior internacional para a Síria, Kofi Annan, conseguiu o acato de ambas as partes para o cessar-fogo, porém, foi desrespeitado.

Brahimi repassará aos membros do Conselho de Segurança da ONU os resultados de sua última visita à região, encerrada na Síria, onde se reuniu com Bashar al Assad, presidente sírio.

O mediador internacional aunuciou o cessar-fogo junto ao secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al Araby, e representantes do Grupo de Anciãos, entre eles Jimmy Carter, ex-presidente dos estados Unidos e a ex-presidente irlandesa Mary Robinson.
 
Fonte: Jornal Tribuna do Norte