quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Nova Constituição do Egito é aprovada com 63,8% dos votos

A nova Constituição do Egito, redigida por uma Assembleia dominada por setores islâmicos conservadores que apoiam o presidente, Mohamed Mursi, foi aprovada em referendo popular com 63,8% dos votos.
O resultado oficial corrobora os números divulgados antes do encerramento da contagem dos votos pela Irmandade Muçulmana, grupo majoritário da Constituinte.

Devido à recusa de muitos juízes em participar da fiscalização do pleito, a votação foi dividida em dois dias. Uma parte das Províncias foi às urnas no dia 15 de dezembro, e outra, no dia 22. Segundo as autoridades, o comparecimento dos mais de 50 milhões de eleitores foi de 32,9%.

Egípcia mostra cabelos cortados em protesto contra nova Constituição
Egípcia mostra cabelos cortados em protesto contra nova Constituiçãodo país

Enquanto a Irmandade Muçulmana anunciava antecipadamente a vitória, a FSN (Frente de Salvação Nacional), principal coalizão de oposição, contestava os resultados prévios, denunciando "fraudes, violações e irregularidades".

"Investigamos arduamente todas as denúncias", afirmou, por sua vez, o juiz Samir Abu el-Matti, do Supremo Comitê Eleitoral, em entrevista coletiva, defendendo a legitimidade da votação.

A FSN acrescentou que o referendo "não é o fim do caminho", mas "apenas uma batalha" na luta contra o presidente Mursi.
 
TENSÕES PARTIDÁRIAS

O projeto de Constituição está, há varias semanas, no centro da crise mais grave do Egito desde a eleição Mursi, em junho passado.

As tensões entre partidários e opositores de Mursi culminou, na noite de 5 de dezembro, em confrontos nos arredores do palácio presidencial, no Cairo, que causaram oito mortos e centenas de feridos.

A oposição argumenta que o texto constitucional abre caminho para interpretações rigorosas do Islã e oferece poucas garantias para certas liberdades, apesar das aspirações democráticas que surgiram com a revolta popular contra Hosni Mubarak, que governou o Egito por três décadas.

Para os partidários do "sim", a aprovação da Constituição trará estabilidade ao país. Um argumento utilizado para tranquilizar os egípcios, muito preocupados depois de dois anos de uma transição turbulenta.
No plano internacional, a Alemanha solicitou uma investigação sobre as supostas fraudes






Fonte: Jornal Folha de São Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário