domingo, 18 de agosto de 2013

Cuscuz do Aranha de Assú fazendo sucesso

         O Homem-Aranha saiu dos quadrinhos para vender cuscuz. O caso aconteceu na cidade de Assu, na região Oeste do Rio Grande do Norte, onde o estudante e agora empresário Moisés Vieira da Nóbrega, de 18 anos, decidiu pôr em prática a brincadeira de um amigo em um programa da rádio local. Com recheio para todos os gostos, o jovem se veste com a roupa do personagem para fazer as entregas do produto. O Cuscuz do Aranha funciona há seis meses e vem conquistando clientes no município.
Moisés resolveu aliar a brincadeira ao negócio em Assú, no RN (Foto: Fred Veras)



          No cardápio, podem ser encontrados recheios como carne moída, frango, calabresa, salsinha ao molho, panelada, carne cozida, mortadela e ovos. "É uma comida típica da mesa nordestina, que todo mungo gosta, barata e de fácil renda", afirma Moisés, que seguiu o ramo de alimentação nos passos do pai, dono de um restaurante há 12 anos. Quem prepara tudo é a mãe do jovem. A entrega fica por conta dos homens-aranha, o próprio empresário e um empregado, que no fim de semana ganham a ajuda de dois amigos.

"Fiz a roupa para a festa fantasia na formatura e usei no carnaval. Na época também comecei a vender cuscuz para amigos do colégio", lembra. Foi aí que um amigo de Moisés resolveu fazer uma brincadeira em um programa de rádio local. "Ele disse 'aqui em Assú chegou um homem que vende cuzcuz vestido de Homem-Aranha'. No começo fiquei envergonhado, mas fui um dia vestido e as pessoas gostaram", afirma.

Moisés resolveu aliar a brincadeira ao negócio em Assú, no RN (Foto: Fred Veras)


          Quando Moisés publicou nas redes sociais um cartão de visita sobre o "Cuscuz do Aranha", veio a certeza: a ideia tinha tudo para dar certo. "Foram centenas de compartilhamentos. A rede social foi uma grande arma. Não gastei nenhum centavo com mídia", ressalta o empresário. Atualmente o negócio tem uma base de 30 clientes fixos e beneficia por mês 150 quilos da massa derivada de milho que serve como base para o cuscuz.

          Com um mês de negócio, Moisés foi procurado pelo escritório regional do Serviço Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/RN). O empresário se formalizou na categoria de Microempreendedor Individual (MEI), cujo faturamento máximo é de R$ 60 mil por ano. "Estou aprendendo e procurando me especializar", reforça o jovem, que começou neste mês o curso de Administração em Mossoró, cidade da região Oeste.



Fonte: Portal G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário